terça-feira, 5 de outubro de 2010

Capitulo 4 – Parte 3

Só que não podia partir. Gina fechou os olhos, tentando blo­quear o som dos tambores. Para deixar Jaquir, uma mulher precisa­va de autorização por escrito de um homem de sua família. Abdu Greg nunca lhe daria essa permissão, pois continuava a desejá-la, por mais que a odiasse.

Gina já lhe suplicara que ele a deixasse ir embora, mas Abdu Greg recusara. A fuga exigiria milhares de dólares, e um risco que ela estava quase disposta a assumir. Mas nunca deixaria Jaquir sem Vanessa. E não havia suborno bastante grande para tentar alguém a fornecer uma passagem ilegal para a filha do rei. 

Gina também tinha medo. Medo do que ele poderia fazer com Vanessa. Ele a tomaria da mãe, pensou Gina. Não haveria nada que pudesse impedi-lo, nenhum tribunal para o qual apelar senão seu próprio tribunal, nenhuma polícia para recorrer senão sua própria polícia. Ela nunca arriscaria Vanessa. 

Mais de uma vez, pensara em suicídio. A suprema fuga. Pen­sava a respeito como antes pensava no ato de amor, uma coisa a ser desejada, apreciada, prolongada. Às vezes, nas tardes quentes e in­termináveis, olhava para o vidro de pílulas e especulava qual seria a sensação de tomar tudo de uma só vez, resvalando depois por com­pleto para o nebuloso mundo dos sonhos. Algo glorioso. 

Chegara a ponto de despejar todas as pílulas na mão, contando-as e acari­ciando-as.
Mas havia Vanessa. Sempre Vanessa.

Por isso, ficaria. Drogava-se e continuaria drogando-se até que a realidade se tornasse suportável. Mas daria alguma coisa sua para a filha.

- Quero o sol - disse Gina, abruptamente. - Vamos sair para o jardim.

Vanessa queria permanecer onde estava, embalada pelas fra­grâncias e sons. Mas levantou-se, obediente, e saiu com a mãe.

O calor seco envolveu-as. Como sempre, doía nos olhos de Gina, fazendo-a ansiar por uma brisa do Pacífico. Já tivera uma casa em Malibu, onde adorava se sentar na varanda grande e espa­çosa e contemplar as ondas no mar azul. 

Aqui havia flores, viçosas, exóticas, exalando um perfume in­tenso. Os muros eram altos, para evitar que uma mulher entrasse ali e tentasse qualquer homem de passagem. O Islã era assim. Uma mulher era uma criatura sexual fraca, sem força ou inteligência para guardar sua virtude. Os homens guardavam-na por ela.

O ar no oásis do jardim vibrava com o canto dos passarinhos. Na primeira vez em que vira aquele jardim, com sua exuberância de flores e perfumes inebriantes, Gina pensara que saíra direto de um filme. Ao redor, as areias do deserto se movimentavam, mas ali havia jasmins, oleandros, hibiscos. Laranjeiras e limoeiros em mi­niatura vicejavam. Ela sabia que os frutos, como os olhos de seu marido, eram amargos.

De uma maneira irresistível, ela foi atraída para o chafariz. Fora o presente que Abdu Greg, lhe dera quando a trouxera para o país, como sua rainha. Um símbolo do fluxo constante de seu amor. O amor há muito que secara, mas o chafariz continuava jorrando.

---
Gente, vocês estão gostando da história? 
Por favor me respondam, pq vcs q são blogueiras sabem q não é nada legal, vir aqui, dar o máximo de vc e no final vc receber apenas 1 comentario, é sério, isso nao é legal.
Então por favor, eu sei q nao sou obrigada a postar aqui e vcs tbm não são obrigados a comentar, mas são os comentarios q nos motivam a querer continuar e seguir em frente.
Esses dias eu estava pensando e resolvi q eu vou ter q parar com o blog, (querendo ou não) mas eu nao quero fazer isso agora, pq eu já adaptei vários capitulos dessa história e comecei a adaptar outra, pra mais na frente eu começar a postar, e tbm pq quando eu fiz esse blog eu fiz um compromisso com vcs, então por favor, se vc está lendo deixe um comentario nem q seja pra dar um "oi" ou algo do tipo ;).

Obrigada. 


4 comentários:

Anônimo disse...

Não para, poor favor *-*
sua história é ótima.

taina whimsicall *-* disse...

por favor não pare a história estou adorando *-*
eu tento comentar mais os cometários nunca vai =\
o capitulo está lindo , muito ansiosa para o encontro do Zac e da Vanessa, vai demorar muito?
posta mais =D
beijoos'

Guii disse...

rhaylla se sumiu menina!! só agora achei a nova fic ta incrivel vc escreve tao culto aqui no blogger q no msn nem parece vc kk arrasando nas historias

17Sophie disse...

Não, não podes para com a história. Sabes porquê? Porque a comecei a ler hoje! e estou a adorar! Estou ansiosa que chegue a parte Zanessa.. Ainda falta muito?? Não admira que a Vanessa fique com raiva do pai... ele é mesmo ordinário! (desculpa o palavreado, mas é o que acho).
Estou ansiosa pelo próximo capitulo! Beijo