sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Capitulo 3 – Parte 1

Quando estava prestes a completar 13 anos, Zachary Efron já era um ladrão consumado. Aos dez anos, já graduara em esvaziar os bolsos recheados de prósperos executivos, corretores e advogados e em bater as carteiras de turistas descuidados que esbarrava na Trafalgar Square. Era um arrombador de casas apartamentos, embora quem o visse não pudesse imaginar que fosse algo mais além de um menino bonito, bem-arrumado, um pouco magro.

Tinha mãos hábeis, olhos perceptivos e o instinto nato de um ladrão. Com astúcia, trapaça e punhos fortes, evitou ser atraído para qualquer uma das gangues de rua que vagueavam por Londres durante os últimos dias dos anos 90. Também não sentiu o impulso de distribuir flores e usar colares de contas. Aos 14 anos, Zachary não era moderninho nem roqueiro. Trabalhava sozinho agora, e não via o menor sentido em usar um emblema de fidelidade. Era um ladrão, não um arruaceiro. Sentia apenas desprezo pelos delinqüentes que aterrorizavam as velhinhas e roubavam seu dinheiro para as compras no mercado. Era um homem de negócios e achava graça das pessoas de sua geração que falavam em vida comunitária ou tocavam guitarras de segunda mão enquanto povoavam a cabeça com sonhos de grandeza.

Tinha outros planos para si mesmo... grandes planos.

E a mãe estava no centro desses planos. Tencionava abandona. a existência da mão à boca. Sonhava com uma casa grande no cam­po, um carro de luxo, roupas elegantes e festas. Ao longo do último ano, começara a fantasiar também sobre mulheres elegantes. Por enquanto, porém, a única mulher em sua vida era Starla Efron, a mulher que o gerara e criara sozinha. Mais do que qual­quer outra coisa, ele queria proporcionar à mãe o melhor que a vida tinha a oferecer, trocar as jóias de fantasia reluzentes que ela usava por verdadeiras, tirá-la do pequeno apartamento à beira do que estava se tornando rapidamente o elegante distrito de Chelsea.

Fazia frio em Londres. O vento soprava a neve úmida no rosto de Zachary, enquanto ele seguia apressado para o Faraday's Cinema, onde Starla trabalhava. Zachary vestia-se bem. Um guarda na esquina quase nunca olhava duas vezes para um garoto bem-vestido, com a gola limpa. De qualquer forma, detestava calças remendadas e punhos puídos. Ambicioso, auto-suficiente e sempre com um olho no futuro, Zachary descobrira uma maneira de ter o que queria.

Nascera pobre e órfão de pai. Aos 14 anos, não era bastante maduro para pensar nisso como uma vantagem, uma determinação que fortalecia a disposição. Ressentia-se da pobreza... mas se ressen­tia ainda mais do que era capaz de expressar do homem que entrara e saíra da vida de sua mãe, depois de gerá-lo. Para ele, Starla merecia o melhor. E, por Deus, ele também! Desde cedo, começara a usar os dedos ágeis e a inteligência para providenciar que ambos tivessem algo melhor.

---
Eiin, o Zac apareceeeeu ;DD, isso é bom, ceeerto? agora vcs já sabem muuuito sobre ele ;)
Então gostaram da vida dele?

beeeijos ;*


3 comentários:

Tiz disse...

Ai que maraaa, eu gostei da vida dele. :)
Amigunha, não demore pra posta denovo.
Beijos grandes amr. *---**

Tainá disse...

adorei , eu curti a vida do Zac (:
espero que o Zac ea Vanessa se encontre logo *-*
posta mais ,
bgs;

Anônimo disse...

Eu adorei a vida dele. Quando é que ele se encontra com a Vanessa?